sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Só para admiradores

O dia 9 de Outubro de 2010, para milhares de triatletas, seus amigos e familiares, distribuídos geograficamente à escala planetária, é um dia muito especial e emotivo.

É "O" dia!

Sobretudo para os triatletas participantes no Ford Ironman World Championship 2010, pelo menos em termos desportivos, este será o dia mais longo e importante do ano.

Boa sorte para todos eles!

Que todos comecem e todos cheguem à linha de meta!!!

Infelizmente, este ano, não temos qualquer representante Português. Por certo, em 2011, será substancialmente diferente.

Como dizem os americanos: "Let´s see the motivational video!"

Quanto a mim próprio, com ou sem apoios/patrocínios - em 100 pedidos para adquirir os produtos prioritários a preços substancialmente mais baixos, em troca de publicidade, obtive 5 "sim, talvez, mas" -, em nome individual ou em representação de uma equipa (nenhuma decisão foi tomada e está tudo em aberto), reafirmo a minha intenção e o meu empenho diário, para estar presente no evento máximo do Triatlo de Longa Distância a nível mundial, em Outubro de 2011.

Uma pergunta/desafio: tendo em conta a (reduzida) cultura desportiva portuguesa, como sensibilizar as pessoas, acerca da magnitude, da importância em termos desportivos e do impacto mediático deste evento?

8 comentários:

João Correia disse...

Somos um povo que tem jeito para praticar qualquer actividade desportiva. Surpreende-mo-nos até quando aparece alguém num nível elevado em termos internacionais, numa modalidade qualquer desprezada pelos media. E estes sim, têm o controlo da divulgação das diferentes variantes desportivas. Ainda assim, o triatlo está bem melhor que outros seus parceiros. Quando não há investimento a sério na formação desportiva, ficamos dependentes dos foras-de-série como Joaquins Agostinho e Carlos Lopes e Rosas Mota e Vanessas Fernandes e Tiagos Pires, para catapultar um qualquer desporto moribundo e desprezado pelos donos da bola.
Grande abraço, Pedro.

Triatleta disse...

Exactamente João,regra geral, em Portugal, primeiro esperam-se pelos resultados desportivos, e depois surgem os apoios/patrocínios.

A lógica do investimento desportivo português, quando existe, está invertida, e ainda se tem a visão contrária daquilo que há muito se pratica nos países mais evoluídos, ou seja, nestes útlimos, também se investe em projectos de raiz, relacionados com a formação, em valores desportivos emergentes, ou em projectos que marcam a diferença, pela positiva, através de estratégias de promoção e divulgação fora do circuito habitual, mas que acabam por ter muita visibilidade e retorno.

Voltamos ao mesmo: ausência de educação e cultura geral e desportiva.

Um grande abraço.

Pedro Brandao disse...

Boas. Tudo o que disseram é totalmente verdade e revelador da cultura (não só desportiva) mas geral do nosso país. Não sei como responder á tua pergunta. Apenas te posso desejar sorte para encontrares algum patrocinador que sinta alguma paixão pelo desporto assim como nós e que veja nele um modo de projectar a sua entidade numa prova de tão grande gabarito como essa. Muito boa sorte e não deixes de lutar por tudo aquilo em que acreditas.

Triatleta disse...

Obrigado Pedro!

Dificilmente encontrarei algum patrocínio, e como nunca tive paistrocinio, resta-me o habitual: o eutrocínio.

Um abraço.

joao rita disse...

Em 2008, estava eu a ver RTP1 +- 09h00, deram a noticia de Kona dos vencedores, e nem uma menção aos atletas tugas.

Mandei-lhes o link do tri-oeste, para que a RTP tivesse acesso ao relato dos tugas presentes.

No retorno agradeceram-se , e disseram -me que não tinham conhecimento ...

Felizmente mais tarde , apareceu.....

Toda esta envolvência se for ignorada pelos midias,como muitas vezes sucede, pouco impacto tem no seio da nossa sociedade.
Juntando a toda uma falta de formação desportiva, onde "todos" querem ser cristianos ronaldos....

Só como exemplo de diferenças de culturas, no Ironman de Zurich, no comboio, já de regresso ao aeroporto, um casal de americas dos seu 60 anos , pergunta-me quem era os meus patrocionios, eu mostrei-lhe a minha carteira...


Um abraço

http://www.estremoztriatlo.blogspot.com/

Triatleta disse...

Esse episódio com a RTP é interessante e revelador de que, por vezes, qualquer um de nós pode fazer algo simples e benéfico para a nossa modalidade. Por outro lado, também prova que alguma comunicação social está receptiva a determinado tipo de informação, desde que lhes seja facultada, ou seja, que não lhes dê muito trabalho, pelo simples facto de que não consta nas prioridades.

Nota-se perfeitamente, em triatletas de outro países, a relativa facilidade com que conseguem apoios, mesmo sendo amadores, porque quem os apoia, primeiro que tudo não olha apenas para o lucro directo, proveniente das vendas, e acreditam nestes triatletas como veículos de promoção das marcas e produtos no seio do imenso pelotão. Por outro lado, quem apoia os referidos triatletas, sente algum gosto e prazer pessoal em poder contribuir para que alguém cumpra um objectivo.

Um abraço, J. Rita.

João Duarte disse...

Caro Pedro, sei bem das dificuldades que estás a passar. Também eu, mesmo com títulos em corridas de velocidade em motociclismo, tentei em tempos dar o salto para a internacionalização. O mais caricato foi um ourives que me queria dar um relógio de cerca de 20€ em troca de colocar 4 autocolantes enormes na mota com o nome da ourivesaria...!!! Mas não desistas. Não sei se já tens, mas um dos “truques” é fazer um CV onde enalteças o que já conseguistes atingir no passado para entregares aos eventuais patrocinadores. Abraço.

Triatleta disse...

Obrigado João!

O que escreveste, vai ao encontro do meu comentário, ao comentário do João Rita. :-)))

Sim, desde 1996 que elaboro, actualizo e envio currículos. Inclusivamente, está sempre disponível para consulta no meu website em "Apresentação completa".

A situação agrava-se com a dita crise, e em consequência disso, em 2-3 anos vou contribuir para coisas como almoços de 160000€ da ANACOM, com mais de 4000€ em cortes salarias e congelamento de progressão na carreira. :-(

Mas por muito difícl que seja, e seguramente, honeroso, vou tentar concretizar o meu objectivo, pelo menos, uma vez na vida!

Um abraço.