domingo, 16 de outubro de 2011

Porquê um treinador à distância?: conclusões

Uma semana após o lançamento do tema para debate, eis que surgem algumas conclusões sobre esta temática. Procurei compilar as opiniões em quatro categorias distintas, sem desvirtuar a opinião dos comentadores.

Obrigado a todos os que visitaram, acompanharam, leram e comentaram o assunto.

1. A favor do treinador à distância?

- As tecnologias de informação e comunicação permitem dirigir a preparação de atletas à distância, se for acautelada a relação de empatia, fidelidade, confiança, e se transportar para os atletas a mensagem pretendida, também os resultados se efetivarão.

- A distância não tem de ser impeditiva de uma boa e eficaz preparação de um atleta.

- O desejo de ter um plano de treino com um simples guião.

- O atleta tem um objetivo, quer evoluir e atingir novos patamares na sua performance (terminar a prova, não "sofrer tanto" na prova, subir na tabela classificativa).

- O atleta quer treinar mas não sabe como, nem é autodidata o suficiente para investigar sobre o assunto, não tem disponibilidade para planear o seu treino, ou já tem alguma conhecimento, mas não o suficiente e quer saber o porquê do que está a fazer.

- Será que todos os treinadores que não são à distância, estão efetivamente presentes no treino? Será que o acompanhamento que eles fazem do(s) seu(s) atletas é tão personalizado quanto isso? Estar presente nem sempre significa dar o apoio que é necessário. Isto a um nível mais amador.

- Pode ser interessante numa fase inicial, devido à insegurança sobre o que fazer, quando fazer, como fazer e com alguém com conhecimentos a dar algumas indicações tudo se torna mais claro e lógico.

- Não tem que ser um plano de treinos muito especializado para se verem resultados, até porque nem todos pretendem ser atletas de topo, e muitos têm como objetivo disfrutar da modalidade com preparação suficiente para não passar o tempo em dificuldades para terminar a prova.

- O atleta procura um plano de treino estruturado para deixar a rotina de acordar e decidir o que fazer.

- Por uma questão de limitação de tempo e até financeira, é complicado ter um treinador presencial. Dado o número considerável de horas passadas a treinar, para um atleta amador, faz todo o sentido ter um treinador à distância mas que perceba da modalidade.

- Determinados equipamentos sofisticados (monitor de frequência cardíaca, gps, potenciómetro) são uma mais valia para o treinador poder monitorizar e adequar o treino à distância, e desta forma, com os dados do treino, um treinador à distância "presente" pode ficar com uma ideia melhor do que um treinador presencial "ausente" que nadou, pedalou ou correu ao lado do atleta.

- Treinar sem um treinador, pode conduzir a rotinas em que se negligencia o segmento deficitário ou a treinar demasiado o segmento preferencial, o que num desporto como o triatlo acaba por ser um erro grave. Ter treinador minimiza estes problemas, ajudando a efetuar um treino equilibrado nas 3 modalidades. Isto pode perfeitamente ser feito à distância, desde que sejam feitos testes periódicos à evolução da forma física e desde que haja sempre uma comunicação séria nos dois sentidos (por exemplo semanal) de evolução do treino.

2. Contra o treinador à distância?

- Só faz sentido quando o nível dos atletas já bastante elevado. Há um espectro grande de evolução em cada atleta que permite, com uma postura de autodidata, conhecer e compreender certos aspetos do treino e evoluir até a um determinado ponto

- Se o nível de performance for elevado, a presença do treinador em momentos críticos da preparação daquele será imprescindível.

- Um treinador de natação presencial é muito mais importante do que um treinador de ciclismo ou corrida. É uma disciplina muito técnica e que pode fazer a diferença de muitos minutos no tempo final.

- Existe informação disponível, mas não é aplicada individualmente e desta forma pode perder-se tempo a treinar e surgirem lesões com um treinador à distância. Apesar de não ser fácil para quem tem um emprego, mas só o de encontrar alguém para falar e puxar e ter um grupo de treino é preferível.

- A distância é confortável para os incompetentes que enviam planos exatamente iguais para atletas completamento diferentes e mais nada.

- Ter um companheiro/grupo de treino é muito importante, pois por diversas vezes pode fazer a diferença entre o ir treinar ou ficar no sofá, mas este elemento poderá não ser o próprio treinador;

- Mesmo com plano de treino, o treino acompanhado dá mais resultados, motiva e exige mais do atleta. A partilha de opiniões e de sensações, treino a treino, traz no futuro resultados mais próximos das metas a atingir.

- Para quem quer levar o treino mais a sério, o que os olhos vêm (treinador presencial) não é comparável com o que se pode transmitir por outros meios. Talvez até nem haja necessidade de estar juntos todos os dias mas requer com certeza um contacto muito frequente, quanto mais não seja para uma avaliação concreta do que se fez, do que se vai fazer.

- Quem prescreve treino padronizado não é honesto, não é treinador (eticamente falando) e parece-me lógico duvidar da sua formação como pessoa.

- Um treinador à distância que conhece o atleta, muito pouco poderá fazer, além de algo padronizado de acordo com algumas características do atleta.

 - Encontrar treinador individual é complicado. É preferível procurar um treinador presencial, com competências e vontade, e criar um grupo de treino amador, onde os treinos seriam fixos (locais, horas, segmentos), mas seria pago e talvez a um preço mais justo para todos.

- A idade do atleta, deverá obrigar o treinador a estar munido de toda a informação (física, fisiológica, familiar, etc.) sobre o atleta para lhe poder ministrar os treino adequados de forma presencial.

- Existirá, muito provavelmente, uma simbiose entre treinador presencial e atleta que não existe entre endereços de e-mail.

3. O que se espera de um treinador à distância?

- Alguém com competência, remunerado ( através de uma quota mensal paga pelos atletas) e responsável por conduzir todos os aspetos do processo de treino.

- Planei treinos de acordo com os objetivos estipulados.

- Otimize as características intrínsecas do atleta, identifique e melhore os aspetos menos positivos do atleta, e prestar apoio psicológico para momentos menos bons.

- Forme um grupo de treino, de modo a que exista companhia em treinos, para aumentar a motivação, para estimular a evolução e até para o treinador obter a contribuição de mais atletas, no que diz respeito a experiências na área do treino desportivo.

- Realize reuniões individuais e coletivas periódicas, onde se discutiria todo o trabalho propriamente dito, e se ajustaria o treino de forma presencial.

- Realize treinos conjuntos com alguma periodicidade, com vários ou a totalidade dos atletas orientados pelo treinador.

- Avalie a forma física inicial, ajude a definir objetivos para a época e o realize o planeamento para atingir os objetivos.

- Informe e justifique as opções ao longo do processo de treino.

- Acompanhe periódicamente a forma física e avalie a condição física, para verificar se o treino está a ter os resultados esperados.

4. Custos de um treinador à distância?

- Dependente do tipo de serviço. Podem existir atletas que só querem um plano de treinos simplificado, outros que pretendem o tal acompanhamento à distância, outros que preferem alguma acompanhamento presencial, e tudo isto deverá ter valores distintos.

- Ao nível de exigência de cada atleta, deverá existir uma correspondência direta com o valor da mensalidade a pagar. Sendo que, deverá ser um valor baixo para um acompanhamento/ aconselhamento não muito aprofundado.

4 comentários:

Anónimo disse...

Artigo de leitura obrigatória e que descreve de forma quse perfeita aquilo que penso em relação ao tema.

Revela ainda que todas as opiniões que demos foram ouvidas por ti, resta-me concluir que provavelmente e se entenderes prestar este tipo de serviço certamente serás competente e farás um trabalho muito válido.

Continua a "desabafar" sobre o triatlo que cá estaremos a acompanhar-te com muito gosto.

Um abraço,

Pedro A.S.Santos

Triatleta disse...

Obrigado Pedro!

Por agora, temos o resumo da vossa participação.

Talvez, na próxima semana, existam novidades acerca deste assunto.

Um abraço.

Pedro Brandão disse...

Oi Pedro. Muito porreira esta iniciativa e este resumo. Abraço.

Triatleta disse...

Obrigado Pedro!

Ainda vou tendo tempo, gosto e motivação para este tipo de actividades.

Um abraço.