domingo, 12 de dezembro de 2010

Peter Félpes: o melhor nadador...do seu quintal

ATENÇÃO!

O realizador, o marreta que está dentro de água, e a equipa de produção desta pérola dos filmes de terror, intencionalmente, reduziram a velocidade de apresentação, para que os espectadores possam apreciar e deliciarem-se com a (falta de) qualidade técnica do artista. Sim, porque se o filme fosse exibido à velocidade normal, nem o cameraman conseguia acompanhar o ritmo de deslocamento, e entraria em fadiga precoce, para aí ao fim de...sei lá...10 metros.

Se contado já era mau, com imagens é de arrancar os cabelos.

(Ainda bem que o meu filho está a aprender a nadar desde os 6 meses; assim não faz filmes destes, de certeza)

14 comentários:

Nuno Rogério Santos disse...

Meu querido Pedro,

Após estes meses, finalmente vi-te a nadar! (mesmo que seja ao longe)
E acredita que ajuda muito a fazer uma pequena avaliação do teu nado.
E posso dizer-te que o teu estilo é MUITO BOM. Uma interpertação da técnica de crawl quase perfeita. Nadas mesmo muito bem. É mesmo isso, aliás o Bruno deve dizer-te o mesmo. Acredita no que digo, com sinceridade.
Agora vamos ao que dói.
Sentado aqui no PC, ao longe, parece-me que o que está menos bem é a parte submarina da braçada. O teu objectivo de cada braçada é empurrar o corpo o mais para a frente possível. Para isso tens de efectuar uma braçada menos directa, menos a direito, da frente para trás, e mais com um percurso subaquático em S, de forma a agarrares várias águas paradas.
E claro, tens de continuar a nadar muito, a fazer metros, muitos metros...
Fala com o Bruno sobre a braçada que decerto ele poderá ajudar-te a entender melhor o que eu escrevi.

O teu treinador de bancada :)

Pedro Brandão disse...

Deixa lá isso. Estás muito bem amigo. Continua.

Triatleta disse...

Obrigado Nuno e Pedro!

Mas a verdade é a seguinte:
- a velocidade de deslocamento ainda é será lenta, embora, possa melhorar;
- quanto à técnica, há mais alguns erros que só podem ser vistos nos outros videos com filmagem de frente, ou seja, batimento de pernas afastado e pouco ritmado, braço esquerdo a cruzar a linha média do corpo, muita oscilação das ancas, e a tal braçada subaquática muito rectilínea.

Pois sim, mais umas boas horas na água e o próximo video, não será de terror aquático, mas sim, cómico. :-)

Saúde!!!

sica disse...

Até cambalhota no final da pista, vai lá vai ...

Triatleta disse...

IronSica,

Mal de mim, se com esta idade, não soubesse dar umas cambalhotas.

Só falta mesmo um pormenorzito: nadar mais rápido!

Mas para isso tenho não há segredo; é ficar como o bacalhau para reduzir o sal: de molho!!!

Abraço.

Miguel Andrade disse...

Pelo menos o Félpes não nada como o prego :D

Força que isso vai ao sítio! (ando à procura do mesmo...)

Triatleta disse...

Miguel,

Se eu consigo evoluir um pouco, aos 36 anos de idade, tu vais evoluir muito mais.

Abraço.

João Duarte disse...

Amigo Pedro, o filme não é assim tão mau. Dentro do mesmo tipo, consigo fazer um pior,...bem pior. Continuação de bons treinos. João Duarte.

João Duarte disse...

Amigo Pedro, o filme também não é assim tão mau. Dentro do mesmo tipo, garanto que consigo fazer pior,...bem pior. Continuação de bons treinos.

Triatleta disse...

João,

Sempre fui, e sempre serei, o principal crítico de mim próprio.

Não gosto do que vejo e quero mais e melhor.

Vamos lá treinar!

Bons treinos e um abraço.

P.S.: estou desejoso de ver essa CANYON.

ironbélico disse...

Amigo pedro tas como um golfinho na agua ;)
treino treino e mais treino aja vontade e tempo de qualidade
grande abraço
abel

Triatleta disse...

Abel,

Se fizermos agora um bom trabalho de base (técnica e volume) na água, em Março, começamos já a ter resultados.

Bons treinos e um abraço.

Ricardo C. disse...

O que falta aí é também um pouco mais de agressividade na braçada ao entrar na água. :P O sr. professor parece que tem medo de aleijar a Srª Liquida!

Continuação de bons treinos

Triatleta disse...

O que falta mesmo é:
- habilidade motora para o meu aquático, e;
- ter aprendido mais cedo a nadar; aos 18 anos já é tarde.